Gestão Eficaz: Desconhecimento do cálculo deixa aposentado insatisfeito com subsídio

por kary_imprensa — publicado 14/05/2018 07h51, última modificação 14/05/2018 07h51

A falta de conhecimento sobre mudanças nas regras e cálculos da aposentadoria tem deixado servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada insatisfeitos com o valor dos subsídios. Uma das soluções para esse problema, segundo a técnica do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Áurea Maria Abranches Soares, é o trabalhador calcular com exatidão o tempo de contribuição e o valor do benefício, para que a expectativa não supere a realidade.

O assunto foi tratado durante a palestra "Regras de aposentadoria e pensão: perspectivas e reforma previdenciárias", ministrada pela técnica na manhã desta quinta-feira (10) durante o Ciclo de Capacitação Gestão Eficaz. O evento prossegue no auditório da Unemat, em Sinop, até amanhã (11/5), reúne gestores e servidores dos poderes Executivo e Legislativo de 31 municípios da região.

Queremos conversar sobre a importância deles se atualizarem, queremos criar sementes previdenciárias, pessoas que possam olhar esses slides, lembrar de alguma coisa e orientar o vizinho, o colega"
Áurea Abranches, auditora do TCE-MT 

A capacitação sobre Previdência é pertinente tanto aos servidores que trabalham no setor de RPPS e Recursos Humanos quanto aos servidores em geral. "Queremos conversar sobre a importância deles se atualizarem, queremos criar sementes previdenciárias, pessoas que possam olhar esses slides, lembrar de alguma coisa e orientar o vizinho, o colega", disse Áurea Abranches.

A auditora destacou que na maior parte dos casos as pessoas acreditam ter direitos, mas esquecem que os cálculos mudam. Dessa forma, criam expectativa

de que ao se aposentar vão receber um determinado valor de subsídio, mas quando fazem o cálculo esse valor cai pela metade. "A pessoa precisa pensar que, se voluntariamente pode não se aposentar, se pode trabalhar até completar o tempo, deve fazer um esforço para isso, tem que ser proativa", ressaltou.

Outro engano comum, segundo a auditora, é que o tempo de serviço não significa necessariamente tempo de contribuição, mesmo que o trabalho esteja registrado na carteira. "Às vezes a pessoa tem 28 anos de trabalho, mas apenas 20 de contribuição". Se isso ocorreu e for um empregado da iniciativa privada, deve procurar o Ministério do Trabalho para resolver a situação. Se for servidor público, deve procurar o RH para corrigir. "A certidão de tempo de contribuição é um documento importante, não se deve brincar com ele, vale dinheiro, vale o seu tempo", reforçou.

Áurea Abranches lembrou ainda que as leis da Previdência são esparsas, que há o texto constitucional e várias emendas e, para quem não é especialista no assunto, é realmente difícil acompanhar as mudanças. Disse também que empregadores, equivocadamente, descontam valores dos servidores ativos sobre benefícios que não têm previsão de serem percebidos na aposentadoria. "Nesses casos, não adianta ter contribuído porque o recebimento não tem previsão legal", apontou a técnica.

Atualizações

 Alciely Vitorino de Carly, controladora interna do Município de Novo Mundo

A controladora interna do Município de Novo Mundo, Alciely Vitorino de Carly, destacou que a palestra de Áurea Abranches conseguiu sensibilizá-la para a observação do lado humano quando tratar de questões previdenciárias. Alciely contou que o servidor muitas vezes se preocupa com a parte técnica do trabalho, mas agora considera também ser importante o acolhimento do funcionário. Ela também disse que ficará mais atenta quanto às atualizações das enfermidades e incapacitações previstas na legislação previdenciária e que mudam o tempo todo.

Renata Oliveira, controladora-geral da Prefeitura de Guarantã do Norte, não perde uma edição do Gestão Eficaz em sua região e citou a palestra da técnica Áurea Abranches, sobre Previdência, como uma das mais completas. Ela considera o programa uma grande oportunidade para aprender e tirar dúvidas sobre vários assuntos e disse que aprende com as dúvidas dos colegas dos outros municípios, que geralmente são semelhantes às suas. "O Gestão Eficaz é mais que importante, ele é necessário", destacou.

Dia das Mães


Nós mulheres fazemos jornadas duplas, triplas"
Renata Oliveira 
Controladora-geral da Prefeitura de Guarantã do Norte estava acompanhada da filha Sofia, de 8 anos no ciclo de capacitação Gestão Eficaz em Sinop

Além de controladoras internas dos respectivos municípios, Alciely e Renata tinham mais uma coisa em comum no Gestão Eficaz. Ambas estavam no Ciclo de Capacitação do Tribunal de Contas acompanhadas das filhas. Alciely estava com a filha de 1 ano, Júlia, no colo. Ela disse que, para ser uma servidora pública eficiente, não poderia perder a capacitação, e, ao mesmo tempo, não tinha com quem deixar a nenê. A solução foi levar a menina para o auditório do Unemat. "Mulher é assim mesmo, temos que cuidar dos dois lados", brincou.

Já Renata Oliveira estava acompanhada da filha Sofia, de 8 anos, e do esposo. Ela disse que as mulheres são fortes e conseguem conciliar várias funções ao mesmo tempo: ser esposas, mães, cidadãs e trabalhadoras, e fazer tudo bem feito. "Nós mulheres fazemos jornadas duplas, triplas". Na opinião de Renata, os filhos não devem servir de desculpa para a mulher deixar de fazer as coisas que ela tem vontade.

FONTE : TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

error while rendering plone.comments